Que caiam os muros da prisão do viver
Aprender pelo processo de desaprender
O homem desconhece o seu próprio poder
Denso é o véu que nos aparta do céu
Soldado encarnado da batalha de Miguel
Com caneta e papel com tinta e pincel
Me enquadro nesse quadro onde eu pinto o meu futuro
Na busca eu me apuro sem medo do escuro
Desfruto do ar puro e sua sabedoria
Beleza natural e sua maestria
Caminhando e contemplando o por do sol de cada dia.